Impeachment como circuito perverso na política

Autores

Palavras-chave:

Circuito, Perversão, Impeachment

Resumo

A intenção deste artigo é reconhecer signos perversos e antipolíticos no processo de impeachment de Dilma Rousseff, que aconteceu em 2016. A partir de concepções de Hannah Arendt sobre política, o texto reconhece o consumo e a recepção das capas da revista Veja por pessoas anônimas enquanto valores perversos. Para isso, a pesquisa tem como metodologia o conceito de circuito de cultura desenvolvido por Richard Johnson para acompanhar que valores perversos foram reconhecidos desde a produção até à circulação do processo comunicacional. Assim, a pesquisa aponta que o impeachment foi realizado a partir da destruição do espaço político em nome das paixões privadas que circularam enquanto valores culturais e morais.

Downloads

Publicado

2021-06-30

Edição

Secção

Artigos